Tag Archive: Natureza

ANTÓNIO BRACONS, GAIVOTAS, COSTA DA CAPARICA, 2017 – 3

. . . António Bracons, Gaivotas, Costa da Caparica, 2017 . . .   Voam, voam, voam, voam, voam, voam… . . . Anúncios

ANTÓNIO BRACONS, “LIBERDADE”, 2017 – UMA IMAGEM SOLIDÁRIA

Esta é a minha fotografia para Uma Imagem Solidária – Porto. E um poema de Eugénio de Andrade, que tão bem sente a água e o Porto. . . . António Bracons, Liberdade.… Continuar a ler

ANTÓNIO BRACONS, GAIVOTAS, COSTA DA CAPARICA, 2017 – 2

. . . António Bracons, Gaivotas, Costa da Caparica, 2017 . . . As gaivotas voam em bando na expetativa de algum peixe. Há juvenis – peito cinza e bico escuro – e… Continuar a ler

ANTÓNIO BRACONS, GAIVOTAS, COSTA DA CAPARICA, 2017 – 1

. . . António Bracons, Gaivotas, Costa da Caparica, 2017 . . . A chegada das redes de pesca à praia, com o peixe, atraem as gaivotas. Vêm de longe e juntam-se em… Continuar a ler

ANTÓNIO BRACONS, MOINHOS DA TRAMAGA, PONTE DE SOR, 2012

. . . António Bracons, Moinhos da Tramaga, Ponte de Sor, 2012 . . . Próximo de Ponte de Sor, junto à Tramaga, situa-se um moinho de água, dos alguns ainda existentes. Os… Continuar a ler

ANTÓNIO BRACONS, OLIVEIRAS, AZINHEIRAS E PINHEIROS, FÁTIMA, 2017

. . . António Bracons, Oliveiras, azinheiras e pinheiros, Fátima, 2017 . . . Por todo o país e também na região de Fátima, as oliveiras são uma presença constante, tantas vezes junto… Continuar a ler

ANTÓNIO BRACONS, OLIVEIRAS, FÁTIMA, 2017

. . . António Bracons, Oliveiras, Fátima, 2017 . . . Um pouco por todo o país, a presença das oliveiras é uma realidade: das grandes extensões de olival, aos pequenos olivais familiares… Continuar a ler

ANTÓNIO BRACONS, SANTUÁRIO DE FÁTIMA, DOS VALINHOS AO CALVÁRIO HÚNGARO, 2017

Centenário das Aparições de Fátima (13 de maio de 1917 – 2017) . . . António Bracons, Santuário de Fátima, Dos Valinhos ao Calvário Húngaro, 2017 . . . O caminho faz-se pelo… Continuar a ler

CAMINHO, 2016

. . . António Bracons, Caminho, 2016 . . . Abre-se o caminho ao olhar e ao caminhar. Avanço e encontro, vejo, sinto: a terra, o mar, o céu, a luz que do… Continuar a ler

PINHAL, PAIÃ, ODIVELAS, 2016

              As raízes dos pinheiros aprofundam-se, agarrando a árvore, mas algumas espalham-se em redor, à superfície, em linhas, arabescos, traços salientes entre a terra e a vegetação.… Continuar a ler