“NUMA FOTOGRAFIA” DE EUGÉNIO DE ANDRADE

Centenário do nascimento de Eugénio de Andrade (19 de janeiro de 1923, Póvoa da Atalaia, Fundão – 13 de junho de 2005, Porto).

.

.

.

Numa fotografia

.

Não sejas como a névoa, nem quimera.

Demora-te, demora-te assim:

faz do olhar

tempo sem tempo, espaço

limpo – do deserto ou do mar.

.

Eugénio de Andrade, O outro nome da terra, 1988

.

.

Alfredo Cunha, Eugénio de Andrade, Porto, 1998

.

.

[Passamos pelas coisas sem as ver]

.

Passamos pelas coisas sem as ver,

gastos, como animais envelhecidos;

se alguém chama por nós não respondemos,

se alguém nos pede amor não estremecemos:

como frutos de sombra sem sabor,

vamos caindo ao chão apodrecidos.

.

Eugénio de Andrade, As Mãos e os Frutos, 1948

.

.

António Pedro Ferreira, Eugénio de Andrade

.

.

As Palavras

.

São como um cristal,

as palavras.

Algumas, um punhal,

um incêndio.

Outras,

orvalho apenas.

.

Secretas vêm, cheias de memória.

Inseguras navegam:

barcos ou beijos,

as águas estremecem.

.

Desamparadas, inocentes,

leves.

Tecidas são de luz

e são a noite.

E mesmo pálidas

verdes paraísos lembram ainda.

.

Quem as escuta? Quem

as recolhe, assim,

cruéis, desfeitas,

nas suas conchas puras?

.

Eugénio de Andrade, O Coração do Dia, 1958

.

.

Manuel Roberto, Eugénio de Andrade

.

Urgentemente

.

É urgente o amor.

É urgente um barco no mar.

.

É urgente destruir certas palavras,

ódio, solidão e crueldade,

alguns lamentos,

muitas espadas.

.

É urgente inventar alegria,

multiplicar os beijos, as searas,

é urgente descobrir rosas e rios

e manhãs claras.

.

Cai o silêncio nos ombros e a luz

impura, até doer.

É urgente o amor, é urgente

permanecer.

.

Eugénio de Andrade, Até Amanhã, 1956

.

.

João Paulo Coutinho, Eugénio de Andrade, 25.05.2001

.

.

É impossível ler apenas um poema.

.

.

Agustina Bessa-Luís, Sophia de Mello Breyner Andresen e Eugénio de Andrade

.

.

Eugénio de Andrade, pseudónimo de José Fontinhas, nasceu a 19 de janeiro de 1923, em Póvoa da Atalaia, no Fundão.

A sua infância foi passada com a mãe, na sua aldeia natal. Prosseguindo os estudos, foi para Castelo Branco, Lisboa, frequenta o Liceu Passos Manuel e a Escola Técnica Machado de Castro. Era comum vê-lo a deambular pelas bibliotecas públicas, tornando-se o leitor que se tornou, até começar a escrever os primeiros versos. Aos 15  anos, enviou alguns ao poeta e dramaturgo António Botto, que o quis conhecer; um ano depois, publica “Narciso”, o primeiro poema, surge a necessidade de um nome literário, um nome dado a si mesmo: Eugénio de Andrade.

Vai para Coimbra, onde residiu entre 1939 e 1945, convive com Miguel Torga e Eduardo Lourenço. Em 1947 entrou para a função público, para a Inspecção Administrativa dos Serviços Médico-Sociais, em Lisboa, sendo em 1950 transferido para o Porto, onde fixou residência.

Manteve sempre uma postura de independência relativamente aos vários movimentos literários com que a sua obra coexistiu ao longo de mais de cinquenta anos de atividade poética.

Embora não se integre em nenhum dos movimentos literários que lhe são contemporâneos, não os ignorou, mostrando-se solidário com as suas propostas teóricas e colaborando nas revistas a eles ligadas, como Cadernos de Poesia; Vértice; Seara Nova; Sísifo; Gazeta Musical e de Todas as Artes; Colóquio, Revista de Artes e Letras; O Tempo e o Modo e Cadernos de Literatura, entre outras.

É autor de uma importante obra poética: Adolescente (1942); As Mãos e os Frutos (1948); Os Amantes sem Dinheiro (1950); As Palavras Interditas (1951); Até Amanhã (1956); Conhecimento da Poesia (1958); O Coração do Dia (1958); Os Afluentes do Silêncio (1968); Obscuro Domínio (1971); Limiar dos Pássaros (1972); Véspera da Água (1973); Memória de Outro Rio (1978); Matéria Solar (1980); O Peso da Sombra (1982); Poesia e Prosa, 1940-1989 (1990), O Sal da Língua (1995), Alentejo (1998), Os Lugares do Lume (1998) e Antologia Pessoal de Poesia Portuguesa (1999), Os Sulcos da Sede (2001).

Organizou outras antologias, como a que dedicou ao Porto: Daqui Houve Nome Portugal (1968) e a Antologia Breve, dedicada a Coimbra (1972), que integram poesia, prosa, fotografia e pintura.

Além de vasta obra poética, Eugénio de Andrade publicou alguns livros em prosa, designadamente “Os afluentes do silêncio”, “História de égua branca”, com ilustrações de Manuela Bacelar, “Rosto precário” e “À sombra da memória”. Fez também traduções de Federico García Lorca, de Iannis Ritsos, das “Cartas Portuguesas (atribuídas a Mariana Alcoforado)” e de “Poemas e fragmentos de Safo”.

Escreveu também livros para crianças. É um dos poetas portugueses mais traduzidos.

Em 1982, o Governo português atribuiu-lhe o grau de Grande Oficial da Ordem de Sant’Iago da Espada e a Grã-Cruz da Ordem de Mérito em 1988. Em 1983, recebeu o Prémio Seiva de Literatura; em 1985, o Prémio Pen Clube; em 1986, o Prémio da Crítica da Associação Portuguesa de Críticos Literários e o Prémio da Associação Internacional dos Críticos Literários; em 1988, o Prémio D. Dinis da Fundação Casa de Mateus e o Grande Prémio de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores; em 1989, o Prémio Jean Malrieu (França); em 1991, o Prémio APCA (Brasil); em 1996, o Prémio Europeu de Poesia da Comunidade de Varchatz (Jugoslávia), em 2000, o Prémio Vida Literária da Associação Portuguesa de Escritores, entregue pelo Presidente da República, o Prémio Extremadura de criação literária; em 2021, o Prémio Celso Emilio Ferreiro (Espanha), para autores ibéricos; em maio, foi homenageado no Carrefour des Littératures (França) e em julho, o Prémio Camões, do qual se mostrou satisfeito, quer pelo prestígio do galardão, quer por ver o seu nome associado ao de Luís de Camões e o Prémio P.E.N., entre outros.

Apesar do seu prestígio nacional e internacional, viveu sempre distanciado da vida social, literária ou mundana, tendo o próprio justificado as suas raras aparições públicas com “essa debilidade do coração que é a amizade”.

Morreu a 13 de junho de 2005 no Porto, depois de anos de prolongada doença degenerativa neuromuscular, cidade que o acolheu mais de metade da sua vida. Encontra-se sepultado no Cemitério do Prado do Repouso, no Porto, tendo a sua campa sido desenhada pelo arquiteto e seu amigo Álvaro Siza, incluindo a inscrição de versos do seu livro “As Mãos e os Frutos”.

Na sua casa, na Foz do Douro, no Porto, funcionou a Fundação Eugénio de Andrade. Após a sua extinção, em 2011, esta passou a ser a Casa da Poesia Eugénio de Andrade, foi cedida em 2020 à União das Autarquias de Aldoar, Foz, Nevogilde. Por sua vez, o acervo do poeta foi em dezembro de 2022 depositado na Casa dos Livros.

.

.

.

Eugénio de Andrade *

.

.

.

.

O Museu da Cidade do Porto homenageia Eugénio de Andrade, assinalando o centenário do seu nascimento com a exposição “Eugénio de Andrade, A Arte dos Versos – Ciência Suprema”, na Biblioteca Municipal Almeida Garrett, na Rua de Dom Manuel II, tendo por ponto de partida o espólio manuscrito, fotográfico e editorial cedido em 2020 ao Município do Porto. A exposição inaugura em 19.01.2023.

.

.

.

Transcrevi os poemas de: Eugénio de Andrade, “Poesia”. Vila Nova de Gaia: Rosto Editora / Modo de Ler, 2011.

.

* Não consegui perceber qual o autor de cada uma destas fotografias. Se entretanto identificar, referirei. As minhas desculpas aos autores e aos leitores.

.

.

.