EDGAR MARTINS, THERE’S A SHITE STUNK IN THE AIR… DAD’S OOT OAN BAIL!

Exposição no MNAC – Museu Nacional de Arte Contemporânea, em Lisboa, de 25 de maio a 21 de agosto de 2022.

.

.

.

Edgar Martins surpreende novamente, com uma diferente abordagem – e, portanto, uma diferente leitura – do seu projeto “What Photography & Incarceration have in Common with an Empty Vase”.

No MNAC, a entrada prolonga-se por um corredor no qual um conjunto de visores de diapositivos mostram um conjunto de imagens a partir de película. Paralelamente, alguns exemplares de “What Photography Incarceration have in Common with an Empty Vase” (o diário de um recluso) abrem-se em passagens específicas.

Ao fundo, na sala do lado esquerdo apresenta-se o vídeo “The Life and Death of Schrödinger’s Cat”, um filme de 25 minutos film, ‘four channel sound screening’, também integrante do projeto. Ao longo das salas do lado direito, fotografias e objetos (como um conjunto de cartas escritas a detidos ou váriso canivetes), além de uma projeção de diapositivos (de imagens expostas e outras, novamente permitindo diferentes visões e leituras da série), e dois retroprojetores (sobre placa) na última sala.

.

Lemos na apresentação:

.

A exposição reflecte a abordagem que tem tido o trabalho de Edgar Martins enquanto fotógrafo, em que o foco recai em ambientes de difícil acesso e no diálogo que estes ambientes provocam.

Sintomaticamente intitulada There’s a shite stunk in the air… Dad’s oot oan bail!,  a presente exposição de Edgar Martins constitui um olhar abrangente e original sobre o projecto literário e artístico What Photography & Incarceration have in Common with an Empty Vase, desenvolvido a partir de uma colaboração com presidiários na cidade de Birmingham, Inglaterra, e respetivas famílias, entre outros indivíduos e organizações locais.

Fazendo uso do contexto social do encarceramento como ponto de partida, Martins explora o conceito filosófico de ausência e aborda questões mais amplas sobre o posicionamento da fotografia, quando se cruzam questões de visibilidade, ética, estética, ontologia e documentação.

Ao dar voz aos reclusos e às suas famílias e ao abordar a prisão como um conjunto de relações sociais, e não apenas como mero espaço físico, o trabalho de Martins propõe-se repensar e combater o tipo de imagem normalmente associada ao encarceramento.

.

.

.

António Bracons, Aspetos da exposição,2022

.

.

.

A exposição de Edgar Martins, “There’s a shite stunk in the air… Dad’s oot oan bail!”, mostra-se no MNAC – Museu Nacional de Arte Contemporânea, na Rua Serpa Pinto, 4, em Lisboa, de 25 de maio a 21 de agosto de 2022.

.

.

.

.

Sobre este projeto, o livro e a exposição na Galeria Filomena Soares, em 2019-20 no FF, aqui.

Pode conhecer mais do trabalho de Edgar Martins no Fascínio da Fotografia, aqui e no site da The Moth House, aqui.

.

.

.

Advertisement