LUÍS AFONSO, CASA: ABRAÇANDO A NOSSA NATUREZA

.

.

.

Luís Afonso leva-nos a sonhar.

Estas paisagens, que encontra, que fotografa, no nosso país, em lugares plenos de natureza, conduzem-nos para além da viagem, mais que viagem, do passeio, da natureza. São de luz e de cor. Suave, terna. Ainda que de rochas se tratem. Ou neve. Ou plantas e aves. Flores.

Estou a escrever e vem-me à memória o poema de António Gedeão, Pedra Filosofal:

.

Eles não sabem que o sonho
É uma constante da vida
Tão concreta e definida
Como outra coisa qualquer

.

Como esta pedra cinzenta
Em que me sento e descanso
Como este ribeiro manso
Em serenos sobressaltos

.

Como estes pinheiros altos
Que em verde e oiro se agitam
Como estas aves que gritam
Em bebedeiras de azul

(…)

.

.

Lemos na folha de sala:

.

Nesta exposição, o fotógrafo de natureza Luís Afonso, apresenta-nos o seu projecto CASA, lançado em livro em outubro de 2020, entretanto esgotado. Apresenta-se uma coleção de imagens realizadas ao longo de uma década (2009-2019) em quatro locais com os quais o autor tem uma relação muito especial: Covão d’Ametade na Serra da Estrela, Moledo do Minho, Polje de Mira-Minde e Porto Santo. São lugares que partilham o facto de não serem apenas sujeitos de ocasião da sua fotografia, mas cenários das suas memórias e das suas vivências. Com estas fotografias, o autor apresenta-nos a forma como persegue a fotografia, um ato de criação onde a natureza representa algo mais do que apenas “isto foi o que eu vi”. Entre imagens mais abstractas e expressivas e fotografias mais formais e diretas, sem nunca perderem a intimidade que caracteriza o trabalho do autor, esta exposição oferece-lhe uma oportunidade de abraçar a maior de todas as casas: a nossa Natureza.

.

Escreve Luís Afonso, a propósito desta exposição:

.

Recordo a frase, do poeta Ruy Belo (…):

“Só as casas explicam que exista uma palavra como intimidade.”

Nestas palavras podemos descobrir os diversos universos da palavra CASA e da forma como ela pode contemplar um universo tão interior, como exterior a nós próprios.

O poema fala-nos das casas sem as quais não haveria ruas, as ruas onde passamos pelos outros, mas onde passamos principalmente por nós.

Espero que nesta exposição passem pelos 4 lugares (Covão d’Ametade, Moledo do Minho, Polje de Mira-Minde e Porto Santo), mas que passem principalmente por mim.

.

.

.

António Bracons, Aspetos da exposição, 2022

.

.

.

“CASA: Abraçando a Nossa Natureza”, de Luís Afonso integrou o Mês da Fotografia do Barreiro, exposição patente no Auditório Municipal Augusto Cabrita, 27 de novembro de 2021 a 13 de fevereiro de 2022.

.

.

.

Luís Afonso nasceu em 1972, em Castelo Branco. Comprou a sua primeira câmara fotográfica em janeiro de 1997, mas foi apenas em 2005 que começou a fotografar com mais intensidade. Faz parte do projeto de formação “Primeira Luz” desde dezembro de 2010. Desde então, já liderou perto de uma centena de experiências fotográficas, tendo passado pelas suas “mãos” mais de duas centenas de participantes. É presença assídua, como orador, nos principais festivais de fotografia de natureza em Portugal. É frequentemente convidado a ser jurado nos mais prestigiados concursos de fotografia de natureza nacionais. Desde 2017 é responsável pela programação do Festival de Fotografia de Paisagem de Manteigas. Embora tenha começado pela fotografia de rua, por onde deambulou nos primeiros anos da sua carreira fotográfica, desde 2008 fotografa exclusivamente paisagem.

.

.

.

Pode conhecer melhor a obra de Luís Afonso no seu site, aqui.

.

.

.

Advertisement