EVERYDAYCOVID, O DIÁRIO DE UMA PANDEMIA _ 1

“EverydayCovid” integra a exposição “Diário de Uma Pandemia”, de 8 de Setembro a 31 de Outubro 2020, na Galeria CC11, Rua do Centro Cultural, 11, em Alvalade, Lisboa.

.

.

.

José Carlos Carvalho (2) – Bruno Almeida Gonçalves – Adelino Meireles – Magna Rodrigues – Rafael Lomba – Carlos Pimentel – Rui Duarte Silva – Rui Oliveira (2) – Miguel A. Lopes – Miguel Manso – Luís Manuel Neves – Tiago Miranda – Manuel Martins

.

.

.

Apresento o projeto EverydayCovid, a partir da exposição integra em “Diário de Uma Pandemia”, hoje, numa primeira parte, especialmente dedicada àqueles que prestaram serviço, sobretudo as equipas médicas, de enfermeiros e profissionais de saúde e ainda os cuidadores informais: as famílias, como a do fotógrafo José Carlos Carvalho, “quando os filhos se tornam pais dos próprios pais”, ou do fotógrafo Gonçalo Borges Dias, cuja Mãe ultrapassou um cancro neste tempo difícil.

.

António Bracons, Os fotógrafos EverydayCovid, 2020

.

Sobre o projeto EverydayCovid, escrevem os curadores da exposição, Daniel Rocha, Ilídio Teixeira, Luís Filipe Catarino e Tiago Miranda:

.

O fotógrafo é um herói fora do seu tempo

O que seria da nossa memória e da nossa História se não fossem as fotografias do início do século XX do país, da monarquia e dos assassinos do rei, do dia da implantação da República e como seriam as provas visuais da ida dos nossos soldados para a guerra sem as fotografias do nosso herói maior do fotojornalismo, Joshua Benoliel?

Mas não nos fiquemos por aqui, que se reconheça o mérito a outros, como aos que fotografaram Gago Coutinho e Sacadura Cabral no hidroavião, a realidade nas colónias e a guerra colonial, a construção da ponte em Lisboa e aos que registaram o 25 de Abril. As primeiras eleições em democracia, os retornados e a pobreza em que o país se encontrava. Quem consegue ficar indiferente a quem fotografou o momento da tentativa de assassinato do Papa em Fátima ou à fotografia de Mário Soares na confusão da Marinha Grande?

Dos destroços do avião de Sá Carneiro em Camarate a Durão Barroso a receber na base das Lages George Bush, Tony Blair e José Maria Aznar.

O que seria da nossa visão da História se alguém não tivesse fotografado estes momentos?

Quão preciosas nos seriam hoje as fotografias do terramoto de 1755? Ou quão valioso não teria sido para nós se o “infame” Rosa Casaco tivesse usado a fotografia e sua proximidade com Salazar para relatar a verdade em vez de a construir?

Os fotógrafos, independentemente da sua função e especialidade, fotojornalistas ou retratistas, publicitários ou fotógrafos de arquitetura, serão sempre operários de cápsulas do tempo.

No momento da declaração do Estado de Emergência em Portugal devido ao surto de Covid-19, os fotógrafos simplesmente fizeram o que sempre souberam que iriam fazer, fotografar, tudo o que fosse possível, onde estivessem e a que tivessem acesso.

Quem saiu à rua registou as ruas vazias, quem conseguiu entrar em hospitais fotografou doentes, enfermeiros e médicos, quem ficou em casa relatou o seu confinamento. Imagens que saberemos que serão de uma importância imensa daqui a 10, 50 ou 500 anos. A nossa história terá com certeza outros momentos, mas só há uma oportunidade para registar este.

Até aqui, nada de novo no submundo da fotografia. O fotógrafo, fotografa.

A 16 de Maio, três dias antes da declaração do Estado de Emergência, Miguel A. Lopes e Gonçalo Borges Dias, decidem fazer algo de inédito no nosso país. Juntar numa plataforma digital o máximo de fotógrafos possível e com eles criar um relato fotográfico diário da catástrofe em acontecimento.

A uma ideia aparentemente simples, a que chamaram EverydayCovid, juntou-se um grupo de cento e dezanove fotógrafos que ao longo de dezoito semanas publicaram mais de seiscentas imagens.

Não há memória de um projeto fotográfico tão abrangente no nosso país.

São essas 635 imagens que agora aqui apresentamos. Nem todas impressas, mas todas presentes. Será a cápsula do tempo desta época que vivemos.

.

Das 635 imagens selecionadas pelos editores EverydayCovid: André Dias Nobre, Ângelo Lucas, Gonçalo Borges Dias, Gonçalo Delgado, João Pedro Almeida, Miguel A. Lopes, Rui Soares, Rui Miguel Pedrosa, que se podem ver em formato digital, cerca de 90 foram selecionadas pelos curadores e apresentam-se impressas na exposição.

.

.

António Bracons, Aspetos da exposição, 2020

.

.

O projeto EverydayCovid vai ser editado em livro, que inclui cerca de 400 imagens. O livro encontra-se em pré-venda (pode saber mais e adquirir aqui).

.

.

Este é um dos 4 módulos da exposição “Diário de Uma Pandemia”. Os restantes módulos são: Retratos de Portugal Pelas Agências de Notícias; Dias da Pandemia pela Imprensa Nacional e Claro e Escuro, de Luísa Ferreira.

 A exposição está patente de 8 de Setembro a 31 de Outubro 2020, na Galeria CC11, na Rua do Centro Cultural 11, em Alvalade, Lisboa. A entrada é livre e o uso de máscara obrigatório. A exposição estará a partir de Novembro no Município de Tondela, até Janeiro 2021, seguindo depois para o Taguspark, no Município de Oeiras, entre Março e Abril 2021.

.

.

“Diário de Uma Pandemia” é uma

Exposição fotográfica e multimédia organizada pela associação cultural CC11. Um retrato da vida quotidiana feito pela comunidade em Portugal de fotógrafos e fotojornalistas, videógrafos e documentaristas, durante o período da pandemia de COVID-19.

Seis meses após a chegada a Portugal da pandemia de Covid-19 (…) foram confirmados oficialmente a 2 de Março os primeiros casos de infecção, a associação cultural CC11 apresenta a exposição fotográfica e multimédia DIÁRIO DE UMA PANDEMIA, envolvendo mais de 130 fotógrafos, que nos relatam estes dias que alteraram de forma brusca o panorama dos portugueses.

.

Associação Cultural CC11

No início do ano 2020 foi fundada em Lisboa a associação cultural CC11, que tem como finalidade divulgar e promover a fotografia e o fotojornalismo em Portugal. A primeira exposição inauguraria em Março no espaço CC11, Rua do Centro Cultural 11, no revitalizado bairro de Alvalade e tínhamos já um calendário de exposições até final do ano.

O surto de Covid-19 obrigou-nos a fazer uma pausa na agenda, mas como os fotógrafos e fotojornalistas não pararam durante a pandemia, decidimos aproveitar este momento de crise excepcional para inaugurar o espaço e iniciativas da CC11 com esta exposição, mostrando os testemunhos que nos revelam o impacto que a pandemia teve nas nossas vidas.

.

.

Cortesia da Associação Cultural CC11.

.

Pode ver a segunda publicação sobre esta exposição, no Fascínio da Fotografia, aqui.

Pode ver no Instagram EverydayCovid, aqui.

.

.

.

Advertisement