AAVV, RESISTIR AO IDAI

Fotografias de Luís Barra, Leonel de Castro, André Catueira, Miguel Lopes, Tiago Miranda, Tiago Petinga, João Porfírio, Daniel Rocha e António Silva.

Exposição integrada na Estação Imagem 2019 Coimbra, para ver no Centro Cultural Penedo da Saudade, Av. Marnoco e Sousa, 30, em Coimbra, de 23 de abril a 21 de junho de 2019

.

.

.

O ciclone Idai foi um violento ciclone tropical que atingiu Moçambique. O Idai teve origem numa depressão tropical que se formou na costa leste de Moçambique em 4 de março de 2019. A depressão atingiu o país no final do dia e permaneceu como um ciclone tropical. A 9 de março, a depressão ressurgiu no Canal de Moçambique e foi atualizada para a Tempestade Tropical Moderada Idai no dia seguinte. Foi no dia 11 que atingiu uma intensidade de intenso ciclone tropical, com ventos de 175 km/h. Enfraqueceu, mas intensificou-se novamente e a 14 de março o Idai atingiu a intensidade máxima com ventos de 195 km/h. No dia 15, o Idai atingiu terra firme perto da Beira, em Moçambique, com ventos fortes e causando graves e extensas inundações, não só em Moçambique, mas também em Madagascar, Malaui e Zimbábue, causando a morte a mais de 700 pessoas (518 contadas em Moçambique) e afetaram centenas de milhares de pessoas. Dissipou-se a 21 de março.

A destruição causada pelo Idai provocou uma onda de solidariedade por todo o mundo.

Vários fotógrafos portugueses estiveram no terreno e registaram a destruição e a solidariedade.

.

José Augusto Moreira escreve:

A vida é mais forte do que a calamidade, e, mesmo para aqueles a quem nada sobrou, a perspectiva de futuro é sempre (…) a mais encorajadora. o balanço pode até ter que esperar pela próxima geração para ser finalizado, mas para uma população que já antes vivia a rondar o nada, a prioridade é recomeçar, a única opção é olhar em frente. E somar a nada é sempre muito. o ciclone idai, que em meados de março varreu a província de Sofala, no centro de moçambique, nada poupou. Um rasto de destruição que em muitos casos deixou apenas gente e um chão de lama. Sobreviventes. A quem a esperança dá força e a falta de alternativas, alento. resistir é o que resta.
Os números oficiais indicam mais de 700 mortos, acima de 300 mil famílias despojadas de bens e de abrigo, e mais de 1,5 milhões de pessoas afectadas, em consequência direta do idai. é claro que há também um tempo para o alívio do choro, mas o que é preciso é andar em frente. Caminhar em busca do futuro.

.

.

.

Este slideshow necessita de JavaScript.

António Bracons, Aspetos da exposição “Luís Barra, Leonel de Castro, André Catueira, Miguel Lopes, Tiago Miranda, Tiago Petinga, João Porfírio, Daniel Rocha, António Silva. Resistir ao Idai”, 2019

.

.

Exposição integrada na Estação Imagem 2019 Coimbra, produzida com o apoio da Canon Portugal, patente no Centro Cultural Penedo da Saudade, Av. Marnoco e Sousa, 30, em Coimbra, de 23 de abril a 21 de junho de 2019.

.

.

.