INVISÍVEL (CIT.), ROBERT FRANK

93.º aniversário de Robert Frank (Zurique, Suiça, 9 de novembro de 1924)

.

.

.

O importante é ver o que é invisível para os outros.”

Robert Frank

.

.

.

Robert Frank, Couple, Paris, 1952.jpg

Robert Frank, Couple, Paris, 1952

.

.

.

O CAV – Centro de Artes Visuais, no Pátio da Inquisição, em Coimbra, apresenta de 9 a 26 de novembro [2017], uma visualização dos filmes de Robert Frank:

.

23167647_1911617182187764_3899718383927695837_n

.

Refere o CAV:

Figura pioneira da fotografia contemporânea mundial, e nome incontornável da história dos Encontros de Fotografia (que apresentou a sua obra pela primeira vez em 1988), o CAV vem prestar homenagem a Robert Frank, fotógrafo e cineasta, autor da obra seminal The Americans (1958), cujo trabalho, um compêndio visual sobre a sociedade e cultura norte-americanas, redefiniu para a história a estética da imagem, congelada ou em movimento.

Filmworks é uma coletânea de 26 filmes e vídeos, realizados na década de 60, período em que Frank abandona parcialmente a fotografia e se dedica ao filme, procurando uma abordagem mais narrativa. O conjunto de filmes reunido em Filmworks, onde são utilizadas várias abordagens distintas, desde o cinema directo ou pseudo-documentário, ao road-movie ou diário pessoal, permite um exame mais aprofundado da influência crítica do filme sobre os aspectos narrativos e sequenciais da sua fotografia. Na verdade, os seus filmes não foram um capítulo isolado na sua carreira, mas exatamente o oposto.

Nos filmes, Frank desenvolve e radicaliza os interesses que havia começado a explorar no seu trabalho fotográfico. Isso inclui as suas reflexões sobre o acto de criar, a contaminação entre o tempo e o espaço que a fotografia e o cinema permitem, a dicotomia entre realidade e ficção, ou a análise da relação entre memória, linguagem e imagens.

 

“Integrado no experimental New American Cinema Group, a prática fotográfica de Frank levou-o a desvalorizar uma representação mais naturalista, preferindo o desempenho em roda livre, onde o personagem e o actor, a ficção e o quotidiano se diluíam nas imagens nítidas de paisagens urbanas anónimas e áreas rurais perdidas. O espaço de dissecação de Frank, onde a representação ocorre, como revela o plano de abertura de Pull My Daisy com sua demorada panorâmica sobre a mesa, cadeiras e paredes do apartamento, em breve servirá de palco para o jogos da geração Beatnik. O seu trabalho inicial revela o seu principal interesse em documentar as pessoas e os lugares de dois grupos relacionados ainda que oponentes: a contracultura e o status quo repressivo. Pull My Daisy (1959) e Me and My Brother (1968) retratam os Beats; Conversations in Vermont (1969), Liferaft Earth (1969), e About Me: A Musical (1971) abordam a contracultura e a vida comunitária dos anos 60; OK End Here (1963), por outro lado, retrata as vidas ameaçadas da comunidade rural pobre e da classe media urbana.”

 

Chris Robé

.

.

.

Anúncios