ANTÓNIO BRACONS, O COMBOIO REAL, MUSEU NACIONAL FERROVIÁRIO, ENTRONCAMENTO, 2015

160 Anos da primeira viagem de caminho-de-ferro realizada em Portugal (28 de outubro de 1856)

.

.

.

Este slideshow necessita de JavaScript.

António Bracons, Comboio Real, Museu Nacional Ferroviário, Entroncamento, 2015

 .

.

A história do caminho-de-ferro em Portugal iniciou-se no segundo quartel do séc. XIX, tendo a primeira viagem tido lugar a 28 de outubro de 1856, com a inauguração do troço entre Lisboa e o Carregado, um percurso de 37 Km.

.

O Museu Nacional Ferroviário (MNF), tem a sua sede no Entroncamento e polos em diversas outras cidades, foi criado em 2005 e entretanto renovado.

.

.

Entre o material circulante exposto, merece especial destaque o Comboio Real. Símbolo do progresso e da evolução, bem como pela rapidez e segurança da deslocação, todos os monarcas ou presidentes europeus tinham o seu comboio real (ou presidencial), Portugal não era exceção.

.

O Comboio Real português era composto por quatro veículos de via larga: a Locomotiva D. Luiz e respetivo tender; o Salão D. Maria Pia e o Salão do Príncipe.

A locomotiva, do fabricante inglês Beyer Peacock  & Co. Manchester, foi concluída em 1862, tendo recebido medalha de ouro na Great London Exposition desse ano. Foi frequentemente usada pela família real nas deslocações a Vila Viçosa; em setembro de 1863 rebocou o comboio inaugural da Linha do Leste, entre Lisboa e a fronteira, próximo de Elvas. Após a Implantação da República, efetuou comboios suburbanos na Linha do Sul. Esteve ao serviço até 1923.

O Salão do Príncipe foi construído pela Ibbotson Brothers & Co. Limited, Sheffield, concluído em 1877, foi oferecido pela rainha D. Maria Pia ao príncipe D. Carlos quando este completou 14 anos, sendo a primeira viagem por ocasião da inauguração da Ponte Maria Pia, no Porto, nesse mesmo ano.

O Salão D. Maria Pia foi-lhe oferecido por seu pai, o rei Vitor Emanuel, de Itália, como dote de casamento com o rei D. Luís I, em 1861. A sua construção fora concluída em 1858 pelo fabricante belga Compagnie Générale de Matériels de Chemin de Fer, Bruxelas.

Estes dois Salões foram frequentemente usados pela família real. Após a Implantação da República, foram resguardados de forma a evitar a sua destruição.

O Comboio Real foi submetido a profunda intervenção de conservação e restauro nas Oficinas Gerais do Barreiro, em 1852, no âmbito do Centenário da Inauguração dos Caminhos de Ferro Portugueses, há 50 anos (1956), sendo colocado em estado de marcha. Em 1979 foi deslocado para Santarém, onde esteve em exposição no Núcleo Museológico, até que em 21 de janeiro de 2010, foi transferido para o Entroncamento. Após novos trabalhos de conservação e restauro, integrou a exposição de Viagens Reais Europeias no Museu Ferroviário de Utrecht, Holanda, regressando ao Museu Nacional Ferroviário, no Entroncamento.

.

.

.

Pode conhecer mais sobre o MNF aqui.

.

.

.